O empreendimento, hoje mundialmente famoso, nasceu por iniciativa das autoridades da Ferrovia General Belgrano, que, no final de 1971, decidiu dirigir um trem com um carro experimental de alta montanha da Ganz-Mavag com funcionários e jornalistas, a idéia de um trem turístico entre Salta e quilômetro 1.350, que é o Viaduto La Polvorilla. A idéia e a gestão foram consolidadas meses depois pela tenacidade da Câmara dos Hoteleiros e pela vontade das autoridades ferroviárias de Salta..

Segundo o jornalista e escritor Luis Borelli, o nome Tren a las Nubes é devido a um filme colorido feito por dois tucumanos cinegrafistas nos anos 60 antes da exploração turística- fez o trecho Salta / Socompa a bordo do trem . Quando elas atingiram o Polvorilla viaduto, a máquina faz uma descarga de vapor lateral, que, consequentemente, a baixa temperatura, não se dissipou rapidamente e flutuou momentaneamente no puneño ar. A obra foi oferecida à Ferrovia, que depois a entregou ao jornalista do jornal Clarín, Emilio Petcoff, para fazer o roteiro do documentário. O repórter, assistindo às filmagens, foi atraído pelo jato de vapor que abraçou a máquina em La Polvorilla e intitulou o trabalho “Treine para as nuvens”. Posteriormente, a Ferrocarriles Argentinos adotou esse nome para a única empresa de turismo ferroviário que o país possuía naquela época, que cobria 217 km da filial C14.